sábado, 21 de abril de 2012

Olá!


No último dia 09, a Brinquedoteca da UFMT recebeu a primeira visita das crianças em 2012. Foi uma festa. Neste dia, foram apresentados as mascotes da Brinquedoteca: o Edo e a Teca.
Eles chegaram para ajudar as crianças a conhecerem o funcionamento da Brinquedoteca. A ideia de adotar mascotes nasceu durante as reuniões do Grupo de Pesquisa, como uma forma lúdica de explicar aos pequenos visitantes as possibilidades e limites para a exploração desse espaço que é todo deles.

BrinqEdoTeca
(Anabela K. Ferrarini)
Edo e Teca
São dois amigos
Bem sapecas.
- Vem brincar comigo!
Diz Edo.
- Vou te contar um segredo!
Sussurra a Teca.
Aqui neste lugar
Tem fantasia e tem brinquedo.
Tem sonho e alegria.
Tem sorriso e tem carinho.
Tem respeito todo dia.
Tem jogo, carrinho, boneca,
fantoche, tinta, caminhão,
herói, dinossauro, boneca,
panela, trator, fogão...
Tem aquilo que você quer ser
ou aquilo que você seria,
no mundo da imaginação.
Tem sempre alguém pra dizer:
- Boa tarde! Bom dia!
Tem o Edo e tem a Teca,
Seus amigos bem sapecas.
Porque aqui é seu espaço:
- Essa é a sua, a nossa
BRINQUEDOTECA! 

quinta-feira, 19 de abril de 2012

Olá!
No dia 23 de março de 2012 retomamos nossas reuniões do Grupo de Pesquisa Infância e Juventude Contemporânea. Que venham muitos estudos e muitas partilhas de saberes!
Da esquerda para a direita: Raquel, Rayssa, Rayany, Evandro e Ramon.

Da esquerda para a direita: Ozéas, Anabela, Dayane, Raquel e Rayssa.

segunda-feira, 19 de março de 2012

Olá!
Vocês já viram o comercial do Projeto Velho Amigo? Vale a pena assistir... Esse projeto tem como missão "contribuir para a cultura de inclusão do idoso, assegurando seus direitos e valorizando a sua participação na sociedade". Ao assistir o vídeo, lembrei imediatamente da canção "Vovô", do Palavra Cantada. Assistam o vídeo, ouçam a música (no link postado abaixo), pensem na letra... Tem muito a contribuir para questões sobre as relações intergeracionais. Embora se refiram especificamente ao idoso, tanto a música quanto o comercial passam pela figura do adulto não-idoso. As crianças estabelecem relações cotidianas com esses adultos - o pai, a mãe, os professores. Estudar tais relações tem sido tema de algumas das pesquisas do GEIJC. Como dizia minha avó: "Isso dá pano pra manga!"

video

VOVÔ

Quando eu vejo meu vovô,
que é pai do meu papai,
penso que há um tempo atrás
ele era o que hoje eu sou.
Agora sou criança
e o vovô também já foi.
A vida é uma balança:
ontem, hoje e depois.

Amanhã talvez quem sabe,
eu serei um outro avô.
E o filho do meu filho
será o que hoje eu sou.

Ontem, hoje e depois.

Amanhã talvez quem sabe,
eu serei um outro avô.
E o filho do meu filho
será o que hoje eu sou.

Ontem, hoje e depois.
Ontem, hoje e depois.
Ontem, hoje e depois.

sábado, 17 de março de 2012

Olá, pessoal! 
Hoje aproveitamos para dizer:


A Carla Melissa Klock Scalzitti defendeu ontem, no antiteatro da UFMT, Campus de Rondonópolis, sua dissertação de mestrado denominada "Linguagem e Infância: relações com o letramento", desenvolvida durante o ano de 2010 em uma escola da rede municipal de ensino e na Brinquedoteca da UFMT.
A banca examinadora era composta pelas professoras: Drª. Cancionila Janzkovski Cardoso/UFMT (orientadora), Drª. Eliana Borges Correia de Albuquerque/UFPE e Drª. Raquel Gonçalves Salgado/UFMT.
A pesquisa de Carla Melissa nos enche de orgulho porque, como bem disse a professora Raquel durante a defesa, este é o primeiro trabalho a "consolidar a brinquedoteca não somente como espaço de brincar para as crianças, mas, também, como espaço de pesquisa para estudantes e pesquisadores".
Por isso, Carla Melissa, a você o nosso aplauso e, também, nosso agradecimento!

sexta-feira, 9 de março de 2012

Olá!

Publicamos hoje o clipe e a letra da música "Bolacha de Água e Sal", um dos maiores sucessos do grupo Palavra Cantada. Nosso grupo de pesquisa, o GEIJC, aprecia bastante seu trabalho, pois algumas letras são realmente muito especiais, por tratarem de temas diretamente ligados ao nosso estudo, tais como consumo, infância e relações intergeracionais. Em "Bolacha de Água e Sal" a criança é convidada a pensar sobre aquilo que consome - é saudável, é necessário? A música é ótima para desencadear um diálogo com os pequenos... Pensem nisso!

BOLACHA DE ÁGUA E SAL

Gosto quando vou brincar na rua.
Gosto quando encontro o meu amigo.
Gosto quando a mãe do meu amigo
me oferece uma bolacha
de água e sal.

Gosto de bolacha sem açúcar.
Gosto de bolacha sem recheio.
Gosto de bolacha sem perfume.
Gosto do que é normal!
Uma bolacha de água e sal.

É... uma coisa natural.
É... barato e não faz mal.
De qualquer marca,
é tudo igual.

Quando a gente está meio enjoado.
Quando a gente está passando mal.
Quando a gente fica aperreado.
Bolacha de água e sal.

Quando a minha avó era criança...
quando a vida era sempre igual...
lá na roça acordavam cedo
pra comer bolacha de água e sal!

Quando o meu avô era criança...
veio num navio de Portugal.
A viagem ficou na lembrança...
só comiam bolacha de água e sal!

O meu gosto é radical.
Gosto porque é fundamental.
Farinha, fermento, água e sal.
Simplicidade... no trivial.

Se um dia você for lá em casa
pra brincar comigo no quintal,
vamos combinar um piquenique
pra comer muita bolacha
de água e sal!
video
Disponível em: http://www.youtube.com/watch?v=Ybnkur6_iQ e http://letras.terra.com.br/palavra-cantada/887894

segunda-feira, 5 de março de 2012

Olá! 
Compartilho com vocês o artigo "Porcaria de iPad, não imprime", de autoria do professor-doutor em Comunicação Digital da ECA, Luli Radfahrer, publicado no jornal Folha de São Paulo (04.03.2012). Divertido e inteligente, aborda a relação entre crianças e adultos e tecnologia. Boa leitura!! 


"Porcaria de iPad, não imprime"
A frase não é minha, é da Malu. Com a sabedoria crítica de quem nasceu no século 21, a mocinha não se deixa impressionar pelo design, ergonomia ou funcionalidades da prancheta digital. Para ela, tudo isso é obrigatório. Da mesma forma que imprimir uma página da web para um trabalho da escola. Em seu mundo, computadores devem se comportar como eletrodomésticos. Instalar, formatar, desfragmentar ou expandir são verbos estranhos, anacrônicos como trocar uma válvula de TV. Equipamentos que estejam conectados à mesma rede têm que falar entre si, da mesma forma que se espera que uma geladeira funcione ao ligá-la na tomada.
O pai da Malu não tardou a resolver o problema. Mas ficou com a indignação da moça na cabeça. Profissional de TI tarimbado, ele chegou a programar COBOL em cartões perfurados e, como todo mundo em sua época, se espantou com as maravilhas trazidas pela interface gráfica, internet, smartphones e produtos derivados. Por trabalhar na área, sempre teve a casa cheia de eletrônicos. A maioria deles já um pouco gasta, abandonada depois de vencido o ciclo de vida útil.
Como instrumentos em casa de músicos, panelas em cozinhas de gourmands, roupas em closets de dândis e ferramentas em oficinas de mecânica ou marcenaria, os equipamentos digitais não foram apresentados à Malu. Eles nunca fizeram parte de programas paradidáticos para estimular a pequena a se conectar nem entraram em qualquer tipo de atividade programada. Só estavam ali, disponíveis, empoeirando, abandonados pelo pai que trocara de brinquedo. Não espanta que provocassem curiosidade e fascínio.
Sem nada para fazer, em uma tarde absolutamente banal ela resolveu se aproximar das máquinas. E nunca mais desgrudou delas. Não demorou para galgar a diferença tecnológica que a separava do pai e passar a usar seus equipamentos com total indiferença.
Para que voltassem a ter telefone, os pais da Malu resolveram muni-la de um iPad, com a condição que fizesse os trabalhos da escola nele. Passadas algumas horas de sossego, eis que ela resmunga a frase que dá título a esta coluna. Sua indignação não é manha, é a intolerância justíssima de um consumidor indignado.
Conheço bem os pais da Malu. São amigos inteligentes e divertidos, mas não fazem o gênero pedante de quem cita referências em latim ou obriga o filho a estudar em escola bilíngüe. Nem são do tipo babão que adora aporrinhar os outros com histórias banais de seus prodígios-mirins. Absolutamente normais, eles me contaram essa história no meio de uma conversa de boteco, entre cervejas e petiscos.
Já tive a oportunidade de conversar com a Malu algumas vezes. Ela é uma mocinha muito bacana, mas para o seu bem (e para o bem de todos que a cercam) não é superdotada. É uma criança normal. Feliz, curiosa e hiperativa como é natural ser nessa idade. Sua irmã, a Clarinha, não é muito ligada em equipamentos. Prefere dar piruetas diversas e imaginar histórias com o Papai Noel e o Coelho da Páscoa lisérgicas demais para uma coluna familiar como esta.
Malu, Clarinha, Ico, Duda, Isadora, Artur e tantas outras crianças que pilotam com naturalidade os equipamentos e serviços do cotidiano eletrônico não têm nada de novo, diferente ou grandioso. Sua facilidade com as máquinas não faz deles "nativos digitais", "tecnófilos", "transcendentes", "singulares" ou qualquer outro termo que sociólogos de plantão adorem cunhar. São só curiosos, como um dia todos foram e como os mais espertos continuam a ser.
Sua lógica nem sempre dá certo. Outro dessa geração, o Fernando, tentou forçar um livrinho na entrada de DVD da TV. Para ele, fazia todo sentido: se o pai conta histórias que estão nos livros e se a TV as mostra, por que não pedir para a TV realizar a função do pai? Quando não deu certo, tentou mais algumas vezes, desistiu e largou os restos mortais para alguém arrumar.
Enquanto a maioria dos adultos busca definições, roteiros e práticas para usar Twitter, Facebook, Pinterest, Tumblr e tantos outros neologismos, os novos evitam perder tempo com perguntas e procuram utilizá-los como se existissem desde sempre, com a cautela de aprender seu mecanismo sem excesso de confiança nem medo de quebrá-los. Como o fazem com todo o resto do mundo. Forçá-los a brincar de pião ou amarelinha é tão nocivo quanto forçar crianças de outras épocas a ver documentários ou ouvir música clássica, transformando o que poderia ser uma grande descoberta em uma obrigação maçante.
Luli Radfahrer
Luli Radfahrer é professor-doutor de Comunicação Digital da ECA (Escola de Comunicações e Artes) da USP há 19 anos. Trabalha com internet desde 1994 e já foi diretor de algumas das maiores agências de publicidade do país. Hoje é consultor em inovação digital, com clientes no Brasil, EUA, Europa e Oriente Médio. Mantém o blog www.luli.com.br, em que discute e analisa as principais tendências da tecnologia. Escreve a cada duas semanas no caderno "Tec" e na Folha.com.

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

Olá!

Entre os estudantes que integram o GEIJC e que se dedicam às questões da infância estão:

  • Anabela Rute Kohlmann Ferrarini (Mestrado em Educação/PPGEdu)
  • Dayane Aparecida do Nascimento (Psicologia/Iniciação Científica)
  • Evandro Salvador A. Oliveira (Mestrado em Educação/PPGEdu)
  • Nágila de Moura Brandão Seganfredo (Mestrado/PPGEdu)
  • Ozéas de Oliveira (Mestrado/PPGEdu)
  • Ramon Luiz Arenhardt (Mestrado/PPGEdu)
  • Rayany Mayara Dal Prá (Psicologia/Iniciação Científica)
  • Rayssa Karla Dourado Porto (Psicologia/Iniciação Científica)
Durante o ano de 2011, participamos de diferentes eventos regionais e nacionais. O último evento ao qual comparecemos foi o II SEPEX - Seminário de Pesquisa e Extensão, que aconteceu na UFMT/Campus de Rondonópolis, nos dias 8 e 9 de dezembro. Apresentaram trabalhos Anabela, Dayane, Ozéas, Rayany e Rayssa, todos sob a orientação da professora Raquel G. Salgado.

Pôster: Anabela R. K. Ferrarini


Pôster: Dayane A. do Nascimento

Pôster: Ozéas de Oliveira
Pôster: Rayny Mayara Dal Prá